Nota de apoio à decisão do povo Terena de receber ajuda humanitária dos Médicos Sem Fronteiras

Manifestamos nosso repúdio à recusa da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) em conceder permissão para a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) apoiar as ações do Distrito Sanitário Especial Indígena do Mato Grosso do Sul nas comunidades Terena.

A pandemia da COVID-19 é uma crise sanitária e humanitária global, mas é uma doença que afeta desigualmente os grupos sociais, sendo que, particularmente, os povos indígenas são extremamente vulneráveis[1]. A resposta à COVID-19 entre povos indígenas no Brasil enfrenta inúmeros desafios, desde a estruturação das ações no âmbito do Subsistema de Atenção à Saúde Indígena (SASI-SUS), até a garantia de acesso das populações residentes em áreas urbanas e fora das terras indígenas às redes municipais e estaduais do SUS. Desde abril, observa-se progressiva e acelerada interiorização da pandemia, atingindo grande contingente de população indígena dentro e fora das Terras Indígenas, em zonas urbanas e rurais, resultando em elevado impacto na saúde e em expressivo número de mortes de indígenas.  Atualmente a pandemia alcança a marca de 700 óbitos, atingindo 155 povos indígenas, com mais de 26 mil casos confirmados[2].

A resposta adequada à COVID-19 depende de ações de vigilância para detecção precoce de casos e seus contatos, a fim de interromper a cadeia de transmissão do vírus, e da estruturação da assistência médica, para monitoramento dos doentes e diminuição da letalidade. Entretanto, os profissionais de saúde são um grupo com risco elevado para infeção pelo Sars-CoV-2[3], sendo a sua proteção também uma ação prioritária na contenção da pandemia. A Organização Internacional do Trabalho[4] ressalta a necessidade de ampliação do contingente de trabalhadores para garantir a manutenção dos serviços, particularmente diante dos afastamentos por motivos de saúde e do incremento de demandas.

Historicamente, o SASI-SUS apresenta problemas relacionados à contratação e retenção de profissionais de saúde, principalmente médicos. No transcurso da pandemia, observou-se expressivo contingente de trabalhadores da saúde indígena afetados pela COVID-19[5],com evidentes repercussões negativas sobre a capacidade de manutenção da assistência. Além do limitado e insuficiente suprimento de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de testagem laboratorial dos trabalhadores de forma rigorosa, o cenário da pandemia expões desafios adicionais para a qualificação técnica dos trabalhadores para atuarem frente à pandemia. Nesse contexto, a incorporação de equipes de profissionais de saúde experientes e tecnicamente competentes à força de trabalho já em ação no campo, deve ser entendido como uma necessária alternativa para incrementar as ações no enfrentamento dessa crise sanitária e humanitária, minimizando impactos à saúde das populações mais vulneráveis.

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) são uma organização humanitária internacional que atua em crises humanitárias desde 1971, no desenvolvimento de ações médico-assistenciais e preventivas, com experiência em vários países e, no Brasil, desde a década de 1990. No contexto da pandemia, eles têm acumulado larga experiência em mais de 40 países em quatro continentes. No Brasil, suas ações relacionadas à pandemia estão em curso desde abril, em São Paulo, Roraima, Rio de Janeiro e Amazonas, com as devidas autorizações do Estado brasileiro. Sua atuação tem apoiado a assistência à indígenas em parcerias com as secretarias municipais de Manaus, Boa Vista e São Gabriel da Cachoeira. A perspectiva de ampliação do escopo de atuação do MSF, em parceria com a SESAI, deveria ser considerada estratégica e positiva.

A situação das comunidades indígenas Terena diante da COVID-19 tem se agravado progressivamente nas últimas semanas. Desde o dia 03.08.2020, tornou-se pública a situação do agravamento da epidemia em Aquidauana/MS, assim como a dificuldade de acesso aos serviços de saúde, devido à falta de médicos. Naquele momento, segundo o jornal O Globo, havia 170 infectados e 7 óbitos por COVID-19 na população Terena, e desde então a situação só se agravou. Em 19 de agosto, o Conselho Terena e a Apib contabilizavam 1.239 infectados e 41 mortos.

O MSF apresentou um plano, a partir de solicitação das lideranças Terena, para atender na região de Aquidauana, contemplando 5.000 indígenas. A SESAI, entretanto, desautorizou a ação do MSF. Vejamos parte da nota pública dos MSF: “Em resposta ao plano de MSF, a SESAI autorizou que MSF trabalhe apenas na Comunidade Aldeinha, no município de Anastácio, a menos de 5 km de Aquidauana e com uma população estimada em cerca de 500 pessoas. Aldeinha não fazia parte da proposta inicial de MSF[6]”. 

Ressaltamos, o pedido partiu da própria comunidade, cujas  lideranças conhecem de perto a importância e os limites dos serviços básicos de saúde durante no enfrentamento a COVID-19. O MSF, com parcerias estabelecidas com outros estados e municípios, atendeu prontamente o pedido, solicitando a parceria e aprovação da SESAI, que estava ciente do agravamento da situação. Entretanto, sem nenhuma consulta às comunidades que solicitaram o apoio, houve a negativa da ajuda humanitária.

Na sua resposta, a SESAI ainda afirma que militares estariam atuando na região, sem fornecer maiores detalhes sobre esta atuação, mas com previsão de término da ação para 30 de Agosto. A ausência de consulta às comunidades pela SESAI não aconteceu somente no caso Terena. A própria SESAI autorizou o ingresso de equipes médicas e jornalistas na Terra Indígena Yanomami sem consulta aos indígenas, desconsiderando os marcos legais nacional e internacionais de autodeterminação dos povos indígenas e de obrigatoriedade do Estado em consultar essas populações. No caso de Aquidauana, o agravante é que se trata de um apoio emergencial para o combate da COVID-19, doença com rápida transmissão e óbitos entre a população indígena.

Assinalamos que a negativa da SESAI diante de uma ajuda médica humanitária terá consequências diretas e graves na vida da população indígena. Dessa forma, apoiamos e reiteramos a solicitação feita pelo Conselho Terena, pela Defensoria Pública da União e pela Defensoria Pública do Mato Grosso do Sul de que seja autorizada a atuação dos Médicos Sem Fronteiras  em conjunto com o DSEI Mato Grosso do Sul. Consideramos, além disso, em consonância com a Resolução 169 da Organização Internacional do Trabalho, que as organizações indígenas devem obrigatoriamente participar e serem consultadas sobre as medidas de enfrentamento da COVID-19 em seus territórios.

Associação Brasileira de Saúde Coletiva – ABRASCO
Associação Brasileira de Antropologia – ABA

[1]https://www.oas.org/pt/cidh/prensa/notas/2020/126.asphttps://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6234:opas-insta-paises-a-intensificar-esforcos-para-impedir-maior-propagacao-da-covid-19-entre-povos-indigenas&Itemid=820https://nacoesunidas.org/covid-19-e-grave-ameaca-para-os-povos-indigenas-diz-bachelet/

[2]http://emergenciaindigena.apib.info/dados_covid19/

[3]O Boletim Epidemiológico Especial no. 21 relativo a Semana Epidemiológica 27 (28/06 a 04/07), apresentou que dos 786.417 casos de síndrome gripal em profissionais de saúde, 22,1% foram confirmados para Covid-19 (SVS/MS, 2020) e com 138 óbitos de SRAG causadas pela Covid-19.

[4]WISKOW, Christiane. HOPFE, Maren Hopfe. Five ways to protect health workers during the COVID-19 crisis. International Labour Organization (ILO). Disponível em: https://iloblog.org/2020/04/01/five-ways-to-protect-health-workers-during-the-covid-19-crisis/. Acesso em 6 Abr.2020.

[5]https://www.nytimes.com/2020/07/19/world/americas/coronavirus-brazil-indigenous.html

[6]https://www.msf.org.br/noticias/msf-reitera-pedido-para-atuar-em-comunidades-indigenas-do-mato-grosso-do-sul

Leia aqui a nota em PDF.

 

Endereço postal:

Caixa postal 04491
Brasília/DF
CEP: 70842-970

Endereço físico:

UNB - Campus Universitário Darcy Ribeiro - Asa norte
Prédio do ICS - instituto de Ciências Sociais
Térreo - Sala AT-41/29 - Brasília/DF
CEP: 70910-900

Contato:

Fale conosco
E-mail: aba@abant.org.br
Telefone: +55 (61) 3307 3754del>
  Celular: +55 (61) 98594-9104

Horário de funcionamento: De segunda a sexta-feira, de 09h às 17hs

© Copyright 2019 Associação Brasileira de Antropologia - Todos os direitos reservados. Por GB Criação de sites e Temas Wordpress

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support