Dueto e Terceto na 31ª RBA

Debatendo a territorialidade e identidade étnica quilombola na 31ª RBA

A convite da Presidenta Lia Zanotta e da organização da 31ª Reunião Brasileira de Antropologia (31ª RBA), na tarde do dia 11/12, a líder quilombola Anacleta Pires e o antropólogo Alfredo Wagner compuseram a mesa denominada  Dueto,  estabelecendo diálogo sobre tema candente: Antropologia e Direitos Quilombolas: da Constituição aos dias de Hoje. Para completar, a dupla contou com a mediação da professora Eliane Cantarino, que, como Wagner, se dedica aos estudos de povos tradicionais e quilombolas.

A líder feminina nascida em Santa Rosa dos Pretos, no estado do Maranhão, falou da importância da RBA e da ABA para as conquistas dos quilombolas. Ela lembrou que “a antropologia é uma importante aliada na luta por direitos e que precisam ser fortalecidos os compromissos para continuar as mudanças dessa realidade tão sofrida”.

Para o antropólogo Alfredo Wagner, que é pesquisador e aliado da causa quilombola, o tema escolhido para a 31ª RBA realizada em Brasília, em 2018, foi perfeito, A Antropologia em Ação; e a luta dos quilombos no Brasil é um grande exemplo desta antropologia em ação, “a identidade quilombola não tinha reconhecimento e nosso trabalho foi fundamental nesse processo de reconhecimento da identidade e da territorialidade dos quilombos”, enfatizou o antropólogo.

Durante a 31ª RBA, a quilombola Anacleta Pires concedeu à professora Mônica Nogueira, do Centro de Desenvolvimento Sustentável da UnB, uma bela entrevista, realizada na UnB TV.

Confira no link: https://www.youtube.com/watch?v=l91KTECUS4


Antropologia e Direitos Indígenas: da Constituição aos dias de hoje na 31ª RBA

A convite da  presidenta da Associação Brasileira de Antropologia (ABA), Lia Zanotta (UnB), e da organização da 31ª Reunião Brasileira de Antropologia (31ª RBA), no dia 10/12, no período da tarde, foi realizado o Terceto com os antropólogos João Pacheco de Oliveira (MN/UFRJ), Tonico Benites (Liderança Indígena Kaiowá – MN/UFRJ) e a educadora indígena, Joziléia Daniza Jagso Inácio Jacodsen, do povo Kaingang. Os três tiveram a oportunidade dialogar sobre Antropologia e Direitos Indígenas, desde a Constituição aos dias de hoje. O terceto contou com a presença da Professora Lia Zanotta à Mesa e de um amplo e interessado publico de antropólogos/as , muitos deles e delas indígenas.

“Estamos arriscando a nossa vida para efetivação de um direito conquistado, é preciso demarcar as nossas terras, fomos expulsos, nossos familiares são assassinados cotidianamente, nosso direito custa o nosso sangue, e ainda querem aplicar o marco temporal, alegando que não somos originais das nossas terras. São décadas de luta e séculos de exploração”, apresentou o antropólogo Tonico Benites, que trouxe em seu discurso a dura realidade em que vivem os Guarany Kaiowá, em Mato Grosso do Sul.

“A Terra é parte da nossa formação enquanto ser, nós e a floresta formamos o território tradicional para sermos Kaingang, tudo é complementar, demarcação já!”. Assim iniciou o debate a professora Josiléia Kaingang, que em sua fala trouxe desde a memória ancestral da ocupação territorial até as estratégias atuais de luta pelos territórios sagrados. A Kaingang destacou ainda a importância das instituições, principalmente das universidades, para as conquistas e avanços da agenda do movimento indígena.

Para o antropólogo João Pacheco de Oliveira, ex-Presidente da ABA, “as etnias indígenas são parte do patrimônio cultural brasileiro, pluralismo importante na nossa sociedade, significa grande esperança da nossa nação”. Ele que é Professor Titular do Museu Nacional/UFRJ e cujos trabalhos são incontornáveis para a compreensão dos direitos dos Povos Indígenas, ressaltou que “garantir direitos indígenas no Brasil é sempre um grande desafio, e declarar que não vamos demarcar terras indígenas é inconstitucional”.

Durante a 31ª RBA, João Pacheco de Oliveira (MN/UFRJ) concedeu ao professor Henyo Barreto, do Departamento de Antropologia (DAN) da UnB, uma entrevista realizada na UnBTV sobre o tema.


Notícias sobre o evento em nossas redes sociais:
Facebook: https://www.facebook.com/ABA.antropologia/
Twitter: https://twitter.com/aba_ant

Endereço postal:

Caixa postal 04491
Brasília/DF
CEP: 70842-970

Endereço físico:

UNB - Campus Universitário Darcy Ribeiro - Asa norte
Prédio do ICS - instituto de Ciências Sociais
Térreo - Sala AT-41/29 - Brasília/DF
CEP: 70910-900

Contato:

E-mail: aba@abant.org.br
Tel/fax: 0xx (61) 3307 3754
Horário de funcionamento: De segunda a sexta-feira, de 09h às 17hs

© Copyright 2018 Associação Brasileira de Antropologia - Todos os direitos reservados.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support