Programação TVABA de 23 de Abril até 07 de Maio:

Programação de Abril/Maio busca dar visibilidade à produção audiovisual do BIEV – Banco de Imagens e Efeitos Visual/Laboratório de Antropologia Social-UFRGS.

Apresentação do BIEV:

O Banco de Imagens e Efeitos Visuais/BIEV integra as novas tecnologias digitais e eletrônicas no tratamento multimídia e hipermídia de coleções etnográficas versando sobre memória coletiva, meio ambiente, cotidiano, formas de sociabilidades, itinerários, narrativas e estética urbana em sociedades complexas. O projeto tem por endereço eletrônico www.biev.ufrgs.br Integra o Laboratório de Antropologia Social do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (IFCH) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Criado em 1997 é coordenado pelas Profa. Dra. Ana Luiza Carvalho da Rocha e Profa. Dra. Cornelia Eckert e acolhe pesquisadores associados e visitantes, alunos de mestrado e doutorado assim como bolsista de iniciação científica. Publica a revista eletrônica ILUMINURAS http://seer.ufrgs.br/iluminuras/
Contatos por telefone (51) 33086647 ou pelo email biev@ufrgs.br

Filmes:

Mestre Borel: A ancestralidade negra em Porto Alegre

– 2010

Ficha técnica

Direção: Anelise Gutterres
Duração: 55 min Roteiro e pesquisa Ana Luiza Carvalho da Rocha.
Direção de Fotografia e Edição: Rafael Devos
Som Direto e Paisagem Sonora: Viviane Vedana
Fotografia: Olavo Ramalho Marques
Assistência de edição : Guilherme Deporte
Assistência de produção: Inara Moraes
Arte Gráfica: Malu RochaFinanciamento: Prefeitura de Porto Alegre – Secretaria Municipal da Cultura – FUMPROARTE
Produção:Ocuspocus Imagens
Apoio:Restaurante Marco Zero, Studio K9, Fitasul, Banco de Imagens e Efeitos Visuais/LAS/ NUPECS/PPGAS-UFRGS, Comunidade Terreira Ile Axé Iyemonja Omi Olodo, Memorial do Rio Grande do Sul, Mercado Público de Porto Alegre
Transcrições: Stéphanie Bexiga
Produção executiva:Anelise Gutterres
Co-direção: Baba Diba de Iyemonja

Sinopse:
O documentário Mestre Borel: a ancestralidade negra em Porto Alegre traz Walter Calixto Ferreira, o Mestre Borel falando sobre suas memórias e experiências em Porto Alegre e ao redor do Brasil, ligadas a um itinerário negro nas cidades. Discorrendo sobre os saberes e fazeres de que é detentor, das culturas de matriz africana brasileira, ele narra os conhecimentos religiosos, históricos, mitológicos e artísticos oriundos das tradições africanas que remontam ao convívio com seus antepassados. Mestre Borel: a ancestralidade negra em Porto Alegre é um documentário rico e que já nasce histórico. Oriundo de uma relação de escuta e respeito entre equipe de gravação e o entrevistado, Mestre Borel brinda a todos com suas profundas reflexões sobre a grandeza da religião, sobre a espiritualidade, sobre a memória dos bairros “negros” da cidade de Porto Alegre, sobre a vida e sobre a morte.

Fonte

 

A Cidade Sitiada: seus fantasmas e seus medos

– 2000

Direção: Ana Luiza Carvalho da Rocha e Cornelia Eckert
Duração 24 min.
Sinopse:
Estética das feições da crise e do medo que envolvem o viver a cidade, explorando territórios de proteção e evitação de diferentes grupos urbanos em Porto Alegre/RS.

Fonte

 

A Cidade e suas Ruinas

– 1998

Direção: Ana Luiza Carvalho da Rocha
Duração 28 min.
Sinopse:
Ensaio sobre memória coletiva e sobre o “estar na cidade”, na busca de uma estética para a memória, na busca da “estética das ruínas”. Imagens de casas e prédios antigos de Porto Alegre/RS em seus múltiplos planos, epígrafes bachelardianas e os devaneios de uma “guardiã” de uma casa antiga gravitam no centro da trama, no conflito principal da história: a alma humana a habitar os espaços vividos e imaginados, a morrer e renascer nos diferentes tempos que cruzam o espaço.

Fonte

 

Narradores Urbanos: Antropologia e etnografia nas cidades brasileiras: Eunice Durham , São Paulo

– 2009

Direção: Cornelia Eckert e Ana Luiza Carvalho da Rocha
Duração: 17 min.
Sinopse:
Episódio da série documental Narradores urbanos sobre a antropologia urbana e etnografia visual nas cidades brasileiras. A antropóloga Eunice Durham narra sua trajetória intelectual, refletindo sobre as transformações no pensamento social brasileiro e sobre a dinâmica cultural e social da metrópole paulista.

Fonte

 

Narradores Urbanos: Antropologia e etnografia nas cidades brasileiras: José G. Magnani , São Paulo

– 2008

Direção: Cornelia Eckert e Ana Luiza Carvalho da Rocha
Duração 20 min.
Sinopse
Série documental que apresenta as cidades brasileiras a partir do olhar de antropólogos que consolidaram a pesquisa em antropologia urbana no Brasil. A trajetória intelectual de José Guilherme Magnani é narrada como uma forma de pensar as transformações na paisagem e na dinâmica da vida urbana em São Paulo.

Fonte

 

 

Os “tronco velho”

– 1999

Direção: Ana Luiza Carvalho da Rocha e Rogério Rosa
Duração: 28 min.
Sinopse
Esse documentário, baseado num parecer antropológico, jurídico e histórico da Terra Indígena Borboleta/RS/Brasil (1998), apresenta a luta pela terra dos povos indígenas do sul do Brasil a partir da herança dos seus antepassados – os “Tronco Velho” – presente na sua narrativa biográfica. Apoio do NAVISUAL.

Fonte

 

Barca dos Sonhos

– 2000

Direção:Ana Luiza Carvalho da Rocha e Rafael Devos
Duração: 25 min.
Sinopse
Vídeo que retrata a memória coletiva que conforma o imaginário das águas e ilhas do Rio Guaíba, em Porto Alegre/RS, a partir das histórias de Mocotó, barqueiro da Ilha da Pintada (Porto Alegre/RS).

Fonte

 

Tempo de Descobertas

– 2000

Direção:Ana Luiza Carvalho da Rocha e Luciana Prass
Camera: Rafael Devos.
Duração: 50 min.
Sinopse
Vídeo que mostra a trajetória de um grupo de música antiga, Conjunto de Câmara de Porto Alegre, coordenado por Marlene Goidanich, dentro do contexto urbano de Porto Alegre/RS.

Fonte

 

Bará do Mercado Público: os caminhos invisíveis do negro em Porto Alegre

– 2008

Direção: Ana Luiza Carvalho Rocha
Duração: 50 min.
Sinopse
O documentário A Tradição do Bará do Mercado traz os relatos de 7 religiosos de matriz africana sobre o fundamento afro-religioso chamado O Bará do Mercado Público, a partir dos percursos e experiências urbanas desses negros na cidade de Porto Alegre. Os entrevistados: Adãozinho do Bará, Mãe Norinha de Oxalá, Mestre Borel, Mãe Maria de Oxum, Mãe Angélica de Oxum, Pai Nilsom de Oxum, Babadiba de Iemanjá integram a CEDRAB – Congregação em Defesa das Religiões Afro-brasileiras – fundada em 2004 por Mãe Norinha de Oxalá grande idealizadora do projeto. Buscando tornar mais conhecida uma antiga tradição cuja manifestação concreta são os rituais e práticas realizados pelos religiosos de matriz africana no interior e arredores do Mercado Público o documentário busca a construção de uma narrativa que permita ao espectador um passeio no tempo e nas transformações da cidade de Porto Alegre, do ponto de vista dos negros. Conforme a tradição, no centro do Mercado, no meio da encruzilhada que o funda está “sentado” o orixá Bará – entidade responsável pela abertura dos caminhos e pela fartura. Uma tradição que remonta o Mercado como um espaço de reconhecimento e reivindicação da população afro-descendente e da cultura negra da cidade de Porto Alegre. O documentário integra o projeto “Os Caminhos Invisíveis do Negro em Porto Alegre: A Tradição do Bará do Mercado” patrocinado pela Petrobrás através da Lei Federal de Incentivo a Cultura. Tem produção de Anelise Gutterres, Fotografia de Rafael Devos, captação sonora de Viviane Vedana e edição de Alfredo Barros. O projeto foi realizado pela Secretaria Municipal da Cultura da Prefeitura de Porto Alegre em parceria com o CEDRAB. Documentário vencedor do prêmio Manuel Diegues Júnior, oferecido pelo Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular na Categoria Importância do tema para a área, durante a Mostra Internacional do Filme Etnográfico – RJ – 2008

Fonte

Endereço postal:

Caixa postal 04491
Brasília/DF
CEP: 70842-970

Endereço físico:

UNB - Campus Universitário Darcy Ribeiro - Asa norte
Prédio do ICS - instituto de Ciências Sociais
Térreo - Sala AT-41/29 - Brasília/DF
CEP: 70910-900

Contato:

Fale conosco
E-mail: aba@abant.org.br
Telefone: +55 (61) 3307 3754del>
  Celular: +55 (61) 98594-9104

Horário de funcionamento: De segunda a sexta-feira, de 09h às 17hs

© Copyright 2019 Associação Brasileira de Antropologia - Todos os direitos reservados. Por GB Criação de sites e Temas Wordpress

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support