Notícias

Mapeamento das Coleções Etnográficas no Brasil

O Seminário Antropologia e Museus: desafios do contemporâneo, realizado em dezembro de 2018 durante a Pré-RBA propôs, entre outras iniciativas, a realização de um mapeamento das coleções etnográficas no Brasil. O principal objetivo deste levantamento é congregar num único local informações gerais sobre estas coleções, num Guia Digital online para consulta pública gratuita. A ABA encoraja os interessados em colaborar com essa iniciativa a contatar diretamente o Comitê de Museus e Patrimônios para outras informações, através da equipe responsável por essa iniciativa:

Regiões Norte e Nordeste:
Lucia Hussak van Velthem (MPEG/ PA) – luciavelthem@museu-goeldi.br
Priscila Faulhaber (MAST) – pfaulhaber@globo.com

Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste:
Adriana Russi (UFF) – adri.russitm@gmail.com
Marilia Xavier Cury (MAE/ USP) – maxavier@usp.br
Susilene Elias de Melo Kaingang (Museu Worikg, Kaingang. TI Vanuíre, SP) – susikaingang@gmail.com


Vibrant / Chamada de artigos para o dossiê “Rotas caribenhas: experiências etnográficas, desafios teóricos e produção de conhecimento”

Júlia Goyatá (USP)
Rodrigo C. Bulamah (Unifesp)
Rodrigo Ramassote (USP)

Os últimos vinte anos, impulsionados pelo crescente processo de internacionalização das ciências sociais brasileiras, viram surgir uma expressiva leva de pesquisas acadêmicas, sobretudo teses e dissertações, mas também publicações diversas no Brasil e no exterior, voltadas para o estudo do Caribe em suas múltiplas dimensões. Ao longo desses anos foram tomadas como áreas etnográficas de investigação tanto países em suas especificidades quanto fronteiras e articulações regionais, além de trânsitos globais. A partir de estudos produzidos em centros universitários de excelência, descortinou-se um panorama mais amplo de uma região ainda pouco explorada por antropólogos e antropólogas brasileiras.

Com efeito, o Caribe ocupou um lugar lateral na história da antropologia em geral, pois parecia estar a meio caminho entre as sociedades ditas primitivas e os contextos pós-industriais. Mas foi exatamente esse caráter híbrido que garantiu à região aquilo que Michel-Rolph Trouillot definiu como um caráter “indisciplinado”. Assim, pensando tanto no Caribe visto pela antropologia quanto na antropologia vista desde o Caribe, descortina-se um painel multifacetado de desafios e possibilidades de pesquisa àqueles que desejarem embarcar rumo ao ainda pouco conhecido, mas já em processo de consolidação, campo de uma antropologia do Caribe feita no Brasil. O dossiê Rotas caribenhas: experiências etnográficas, desafios teóricos e produção de conhecimento pretende reunir trabalhos sobre esta área de pesquisas, acolhendo: a) relatos etnográficos; b) reflexões sobre a experiência de autores e autoras caribenhos e/ou estrangeiros no Caribe e; c) contribuições historiográficas. Também serão benvindos artigos de caráter teórico ou que estabeleçam debates e intersecções entre o Brasil, o Caribe e outros contextos regionais.

Leia mais


Base espacial de Alcântara e as Comunidades Quilombolas

“A Associação Brasileira de Antropologia (ABA), por meio do Comitê Quilombos, mais uma vez, repudia a violação dos direitos constitucionais das comunidades quilombolas de Alcântara e apoia a regularização de seus territórios como previsto em lei.”

Brasília, 29 de abril de 2019.


ABA apoio a Mobilização em Defesa da Ciência Brasileira

A Associação Brasileira de Antropologia (ABA) apoia integralmente as iniciativas da SBPC, que vem buscando preservar a atividade científica, salvaguardar a democracia e consolidar a educação pública em nosso país. Consideramos, assim, fundamental participar de ações como a “Iniciativa de C&T no Parlamento – ICTP.br”, que será lançada no dia 08 de maio de 2019, no Congresso Nacional. A ABA estará presente no lançamento e também se dispõe a participar de reunião com o Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, prevista para o dia 09 de maio de 2019, sujeita a confirmação do Ministério. As associações de ciências sociais brasileiras (ABA, SBS, ABCP, ANPOCS) já estão articuladas e, também, planejam iniciativas conjuntas de ouvidoria e de relações institucionais, de modo a fortalecer nossas posições no campo científico brasileiro e preservar o conhecimento que produzimos.

Confira aqui a mensagem da Presidência da SBPC, dirigida aos/as Presidentes das sociedades científicas, sobre a Mobilização em Defesa da Ciência Brasileira.


VI Reunião Equatorial de Antropologia

Data: 9 a 12 de dezembro de 2019
Local: UFBA
Informações: 1ª Circular


ABA assina Proposta para a inclusão de línguas indígenas da Bacia Amazônica brasileira como parte integrante do patrimônio material e imaterial da humanidade

Confira em: https://diplomatique.org.br/proposta-para-a-inclusao-de-linguas-indigenas-da-bacia-amazonica-brasileira-como-parte-integrante-do-patrimonio-material-e-imaterial-da-humanidade/.


A ABA e sua Comissão de Assuntos Indígenas (CAI) apoia o Fundo Aryon Rodrigues

O objetivo é financiar projetos de documentação e descrição de línguas indígenas brasileiras. Informações: https://www.catarse.me/fundo-aryon-rodrigues.


Campanha “Pacote Anticrime: solução Fake”

Comissão de Direitos Humanos da ABA assina como parceira a Campanha “Pacote Anticrime: solução Fake”, lançada no dia 27 de março, na Câmara dos Deputados, em Brasília, visando à derrocada do projeto de lei 882, de 2019, tendo em vista que as propostas são soluções que aprofundam o estado calamitoso da Segurança Pública no Brasil. O movimento, integrado e apoiado por diversos movimentos sociais, coletivos e associações, é resultado da preocupação com os problemas reais como a violência e o alto índice de homicídios, os quais as políticas de segurança pública implementadas historicamente não conseguem reduzir.
Leia aqui. Informações: https://www.facebook.com/events/410734629741207/.


ABA e sua Comissão de Assuntos Indígenas manifestam preocupação diante das ameaças contra os Tupinambá

A Associação Brasileira de Antropologia (ABA) vem a público expressar, através de sua Comissão de Assuntos Indígenas, a profunda preocupação diante das ameaças e planejamento de extermínio contra os Tupinambá e solicita urgente investigação por parte das autoridades competentes. Essa nota acompanha e apoia a carta aberta de pesquisadores que demandam a adoção imediata de medidas protetivas para os indígenas, dentre eles o Cacique Babau (Rosivaldo Ferreira da Silva), bem como a assinatura imediata, pelo Ministro da Justiça, da portaria declaratória da Terra Indígena Tupinambá de Olivença.

Carta aberta de pesquisadores com trabalhos junto ao povo Tupinambá

Pela urgente investigação das ameaças e planos de extermínio contra os Tupinambá, pela garantia da segurança dos indígenas e pela imediata conclusão do processo de demarcação da Terra Indígena Tupinambá de Olivença (Bahia)

Por la investigación urgente de las amenazas y planes de exterminio contra los Tupinambá, por la garantía de la seguridad de los indígenas y por la inmediata  conclusión del proceso de demarcación de la Tierra Indígena Tupinambá de Olivença (Bahía, Brasil)

Pour une enquête urgente sur les menaces et les plans d’extermination contre les Tupinambas, pour la garantie de la sécurité des autochtones et pour la conclusion immédiate du processus de démarcation de la Terra Indígena Tupinambá de Olivença (Bahia, Brésil)

For the urgent investigation into threats and assassination plans made against the Tupinambá people; for the guaranteed safety of the Tupinambá people; and for the immediate finalization of the ongoing process to demarcate the Tupinambá Indigenous Territory of Olivença (Bahia)


Comissão Arns dá início aos seus trabalhos, atuando em rede com organizações sociais e em âmbito nacional

Grupo de juristas, intelectuais, jornalistas e ativistas, entre os quais seis ex-ministros de diferentes governos, faz o lançamento oficial da Comissão Arns, no dia 20 de fevereiro, em São Paulo.

Leia mais


XIII RAM – Reunião de Antropologia do Mercosul


Oficinas ABA/Ford realizadas pela ABA em 2018

Segurança Pública, Violência e Direitos Humanos
Data: 27 a 28 de agosto de 2018
Local: UFF/Niterói – RJ
Informações: Programação

Laudos e Direitos Humanos: Antropologia em Ação
Data: 26 a 28 de junho de 2018
Local: Belém/PA
Informações: Programação

Gênero, sexualidade e direitos fundamentais: o conhecimento científico em questão
Data: 05 de junho de 2018
Local: São Paulo/SP
Informações: Programação


Endereço postal:

Caixa postal 04491
Brasília/DF
CEP: 70842-970

Endereço físico:

UNB - Campus Universitário Darcy Ribeiro - Asa norte
Prédio do ICS - instituto de Ciências Sociais
Térreo - Sala AT-41/29 - Brasília/DF
CEP: 70910-900

Contato:

E-mail: aba@abant.org.br
Tel/fax: +55 (61) 3307 3754
Horário de funcionamento: De segunda a sexta-feira, de 09h às 17hs

© Copyright 2019 Associação Brasileira de Antropologia - Todos os direitos reservados. Por GB Criação de sites e Temas Wordpress

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support